domingo, 17 de junho de 2018

17 de junho: Dia Mundial de Combate à Desertificação e a seca

Hoje, 17 de junho, é comemorado o Dia Mundial de Combate à Desertificação e a seca. Esta data é uma oportunidade para reflexões sobre a própria condição do semiárido e as estratégias que precisam existir para lidar com esse fenômeno. A data foi criada em 1994. Na Europa 22% do solo está erodido. Grande parte do sul do continente pode se desertificar até o ano de 2050. Alternativas seriam, por exemplo, o reuso da água.
Muitos cientistas procuram associar a intensificação dos processos de desertificação e secas com as mudanças climáticas. De acordo com essa corrente de pensamento, serão mais prolongados os períodos de estiagem. Possíveis consequências são a desestruturação produtiva e a geração de maior números de conflitos, guerras e refugiados. Em vista da importância do tema, verifica-se a necessidade de políticas públicas que apresentem soluções. Considera-se estratégico o debate da temática no contexto dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).
No Núcleo de Engenharia, Ciência e Sustentabilidade do Semiárido (NUPECS), em funcionamento na zona rural de Caiçara do Rio do Vento, no estado do Rio Grande do Norte, temos recebido grupos de estudantes e professores para debater sobre quais estratégias podemos desenvolver para diminuir o impacto de populações no meio ambiente e como podemos conviver melhor com as condições encontradas no semiárido. No último dia 14 de junho, recebemos estudantes da Escola Estadual Floriano Cavalcanti, da cidade de Natal.
Um enfoque especial explorado na visita ao NUPECS, foi quanto ao tema espacial. Ciência e tecnologia espaciais associadas podem apresentar importantes caminhos inovadores no sentido de se imaginar novas formas de convívio com o semiárido. Uma dessas compreensões seria a concepção e desenvolvimento de habitats autossustentáveis que apresentem às pessoas, que venham a habitar nesses locais, condições favoráveis de sobrevivência. Esse locais devem permitir aproveitar recursos escassos realizando o reaproveitamento da água, a reciclagem de resíduos, a produção de alimentos e a geração da própria energia, tudo isso associado a uma boa condição de conforto e segurança. É isso o que ocorre na Estação Internacional Espacial ou ISS (International Space Station) e é isso que ocorrerá nas primeiras estações de pesquisa a se instalarem no planeta Marte e é essa a proposta inovadora de pesquisa empreendida na estação de pesquisa análoga à Marte, Habitat Marte, que funciona no NUPECS, em Caiçara do Rio do Vento. Trata-se da primeira estação de pesquisa análoga à Marte a funcionar na América do Sul e a quarta no mundo. Acreditamos que projetos inovadores como o Habitat Marte contribuam para lidar com a desertificação e a seca. Mais informações sobre o Habitat Marte podem ser encontradas em: www.HabitatMarte.com.




Relatório da Missão 5 - 17 a 19 de agosto de 2018

RELATÓRIO DO HABITAT MARTE – MISSÃO 5 Período: 17 a 19 de agosto de 2018. Local: Habitat Marte – Núcleo de Pesquisas em Engenh...